No Paraguay inclusão e diversidade

Mulheres com Deficiência

A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência reconhece que mulheres e meninas com deficiência são sujeitas a múltiplas formas de discriminação (art 6), uma das tarefas a que International Disability Alliance (IDA) se dedica é a de integrar a pauta da deficiência à dos direitos humanos de uma forma geral e, consequente, à cada discussão relevante dentro do escopo dos direitos humanos. Então, o Secretariado da IDA promove e faz a advocacia da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência não só no Comitê Específico , mas em todos os organismos de tratados de direitos humanos, inclusive o que trata dos direitos da mulher.
Na semana que passou recebi a incumbência de fazer contato com as entidades de pessoas com deficiência no Paraguai, para que elas pudessem oferecer mais detalhes sobre a situação das mulheres e meninas com deficiência e colaborar no esforço da IDA na revisão do relatório daquele país no Comitê para Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher (CEDAW -sigla em inglês). As Organizações de Pessoas com Deficiência (OPDs ) paraguaias, já se manifestaram afirmando que uma reunião será marcada para tratar do tema
Segue o email enviado por mim e o rascunho da posição da IDA sugestões de recomendações para que CEDAW inclua nas Observações Finais(em espanhol), que poderá sofrer alterações a partir das contribuições das OPDs paraguaias:

Clique no link a seguir para ver o documento (está em espanhol) Download Presentación de IDA para CEDAW – Paraguay

Abaixo está tradução ( google) das recomendações

Recomendações IDA

• Recolher dados apropriados sobre as mulheres e meninas com deficiência, utilizando dados desagregados e resultados de pesquisas para desenvolver políticas e programas para promover a igualdade de oportunidades para as mulheres na sociedade

• Tomar medidas para assegurar que as mulheres com deficiência são consultados e envolvidos em papéis de liderança no desenvolvimento de políticas.

• Conscientizar e fornecer mais informações sobre as mulheres e meninas com deficiência, que são muitas vezes submetidos a múltiplas formas de discriminação, especialmente em relação ao acesso ao emprego, educação, acesso a cuidados de saúde e proteção contra a violência.

• Assegurar que adaptações razoáveis ​​no emprego e na formação profissional de mulheres com deficiência, incluindo as configurações para diferentes tipos de deficiência.

• Abordar de alto risco para as meninas e mulheres com deficiência a se tornarem vítimas de violência doméstica e abuso, e tomar medidas urgentes para garantir que ambos os serviços e informações às vítimas são acessíveis às mulheres e meninas com deficiência.

• Assegurar a prestação de serviços de apoio, incluindo serviços de apoio psicossocial para ajudar as famílias, incluindo as mães com deficiência como mães ou parentes do sexo feminino que cuidam de crianças com deficiência. Em particular, assegurar que os serviços e assistência prestada permitir que as mulheres em famílias com crianças com deficiência e mães com deficiência pode continuar sua carreira com um equilíbrio trabalho / vida adequada.

• Medidas na lei para garantir a implementação da educação inclusiva para crianças com deficiência, tais como a formação obrigatória para todos os professores (além dos professores de educação especial), para exigir planos educativos individuais para todos os alunos , garantindo a disponibilidade de dispositivos de assistência e apoio nas salas de aula, materiais didáticos e currículos, assegurando a acessibilidade dos ambientes físicos das escolas, promovendo o ensino da língua de sinais ea cultura da deficiência, com um orçamento para todos os acima. Incluir a educação inclusiva como parte integrante da formação de professores básica em universidades para garantir que os valores e princípios da educação inclusiva são infundidas desde o início da formação e carreira docente.

• respeito Tomar medidas para assegurar que todas as informações, cuidados médicos e serviços relacionados à saúde sexual e reprodutiva, incluindo o tratamento físico e psicológico, são acessíveis às mulheres e meninas com deficiência, e que a dignidade e a integridade das pessoas com deficiência com base no consentimento livre e esclarecido da pessoa em questão, e que o tratamento consensual como a administração de contraceptivos ou tratamentos de fertilidade não são negados, enquanto todos os tratamentos não-consensual, incluindo os para as quais o consentimento é dado por um terceiro não são permitidos por lei (incluindo, entre outras coisas, abortos forçados, a contracepção forçada, esterilização forçada).

• Garantir por lei que as mulheres com deficiência, incluindo aqueles que foram privados de ou restrita capacidade jurídica, afirmam o seu direito de votar e participar nos assuntos públicos numa base de igualdade com os outros, de acordo com o artigo 7 da CEDAW e do artigo 29 da CDPD.

• Tomar medidas para aderir ao Protocolo Facultativo à CRPD.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s