Sobre Internet e suas Redes, a saber o Twitter

Como elaborar essa profusão de conteúdos conformados nos intricados nós das redes virtuais, muitos informativos outros nem tanto e alguns que nada trazem de consistente, numa  primeira análise. Talvez a pergunta seja de que modo?

O fato é que o instrumento tem sido usado com vigor, e para além das tentativas de superá-las (as redes) ou agregá-las (para o lucro) elas têm demonstrado o que é horizontalidade da comunicação e poder pulverizado, em centenas de atores que juntos constroem um conhecimento ativo e criativo. Próximos passos? Ampliar, incluir e reverberar, como política pública.

 Acompanhem  dois artigos interessantes ( Emir Sader e Fábio Malini) sobre este grande tema.

 Artigo 1

 

A opinião pública, entre o velho e o novo

 

Reproduzo artigo do sociólogo Emir Sader, publicado em seu blog no sítio Carta Maior:

– A decadência irreversível da velha mídia e o surpreendente surgimento
de novas modalidades de formação democrática da opinião pública.

Atribuem à internet – sua velocidade, seu caráter interativo, sua “irresponsabilidade” (“Qualquer um pode escrever…”, tipo Cansei) – a decadência da imprensa escrita. Claro que isso tem parte da verdade. Quem lê no dia seguinte o que já tinha ido na internet no dia anterior – às vezes lê nos jornais 2 dias depois de ter lido na internet -, tem uma sensação de tempo perdido, de notícia requentada, de um mundo superado pela rapidez virtual.

Além de que a internet, nas suas distintas modalidades, supera um dos problemas que permitiu o monopólio privado de algumas famílias, que pretendiam ser donas da formação da opinião pública, porque o investimento necessário para publicar um jornal ou uma revista é muito grande, enquanto que na internet é bastante pequeno ou quase nenhum.

A internet tornou-se assim um forte instrumento de democratização na circulação de informações, rompendo a fonte única e homogeneizadora das agências, assim como na interpretação dos fatos. A agenda nacional passa a ser disputada à velha mídia pelas novas formas, pluralistas, de expressão midiática, na internet.

Mas a razão de fundo da decadência irreversível da velha mídia está na sua falta total de credibilidade. A ponto de que atacaram implacavelmente o governo Lula e chegaram ao final de 8 anos com apenas 4% de rejeição do governo e 87% de apoio, o que vale também para medir a capacidade de influência da velha mídia sobre o povo brasileiro.

O melhor sintoma da decadência irreversível da imprensa escrita está na ausência dos jovens entre seus leitores, projetando a desaparição dessa modalidade de imprensa em um futuro não muito distante – porque se tornará inviável economicamente, depois de se tornar politicamente intranscendente.

Quando o jornal da ditabranda, dos carros emprestados à Oban e do “espectro do comunismo” me propôs escrever o artigo principal da página 3 em um domingo – em um reconhecimento claro que jornalistas seus tinham cometido graves erros que aumentam ainda mais a falta de credibilidade do jornal -, eu respondi que não me interessava. Que um artigo escrito em um blog, multiplicado pelos que os reenviam, mais seus ecos nos twitters e nos facebooks, além do twitcam, consegue muito mais leitores que um artigo em um jornal. Além de chegar aos jovens e aos setores dinâmicos da sociedade.

Pesquisas mais recentes feitas pelo próprio jornal demonstram como seus leitores hoje são, em sua grande maioria, tucanos (os petistas abandonaram a leitura do jornal), dos grupos A e B, que representam a minoria da sociedade, com ausência absoluta de leitores jovens. Para a empresa interessa, porque são setores de maior poder aquisitivo, o que chama publicidade, mas se distanciaram ainda mais do Brasil real.

O jornal é muito chato, desinteressante, requentado, com cronistas que pararam nos ano 90, jurássicos, que se negam a acreditar que o país mudou, parecem todos iguais, repetem velhões chavões. Alguns jovens de idade, envelheceram prematuramente, incorporaram um ceticismo decadente, que chega rapidamente ao cinismo. Ficaram com os velhos tucanos como leitores, gente sem interesse e sem influência. Dai que tenham um caderno que se pretendem cultural que não é lido por ninguém, nem por eles mesmos.

Eu respondi à oferta que prefiro escrever aqui, propondo que a direção do jornal – que me ligou diretamente – mandasse um texto com suas opiniões, com o compromisso que seria publicado integralmente – o que eles não fazem -, mas que teriam que receber as opiniões dos leitores – interatividade a que eles não estão acostumados. Claro que não mandaram, odeiam a internet, estão irremediavelmente auto-excluidos do futuro da formação democrática da opinião pública.

Mas a velha mídia ainda constitui uma espécie de Exército regular – pesados, caros, lentos -, enquanto nós agimos com métodos de guerrilha, de estocadas, valendo-nos da mobilidade, da surpresa, da criatividade, do humor. Essa a grande batalha democrática entre o velho – que tenta sobreviver, com grandes dificuldades – , e o novo – que busca, com enormes esforços – criar os espaços democráticos e pluralistas que o novo Brasil requer.

 

Postado por Miro às 21:04

 

Artigo 2

  

 

Do Blog do Malini

 

Metade da relevância no Twitter é produzido por 0.05% dos usuários. E daí?

Segundo estudo publicado no Yahoo Research (li isso numa notícia do IDG Now),metade da relevância no Twitter é produzida por míseros 20 mil usuários (0,05%). Como todo número tem um “espírito”, fiquei pensando o que isso significa. Tá na cara: a ideia é disseminar que “apenas poucos produzem coisas relevantes”. No final das contas, a metodologia de pesquisa 1.0 continua viva no mundo das redes. Ou seja, ainda se busca “investigar” raízes (apesar delas existirem) no rizoma para, depois, apontar o dedo e dizer: “tá vendo, mesmo nas redes, as pessoas ainda têm seus líderes”. E, assim, ninguém investiga o óbvio: os entornos de comunicação que afetam diretamente a maneira como eu, tu e eles consumimos os conteúdos da rede. No lugar de buscar “os reis da praia virtual” seria lógico procurar o “corpo que faz o rei reinar”. Afinal, Blog sozinho não faz verão. Um Perfil no Twitter, menos ainda. Mas nada. Muitos estudos ainda usam da estatística para  criar falsa maiorias (sujeitos, temas, etc).

Três coisas óbvias nesses números, lendo a estatística na perspectiva dos 99,5%:* o Twitter não serve apenas para circular conteúdo relevante (e com ele todo um poder pastoral).

  • o Twitter não serve apenas para abrigar “pessoas relevantes” e celebridades.
  • o Twitter não é uma catedral. É um bazar. Para usar a metáfora dos ideólogos do software livre.
  • o Twitter é uma potência porque exatamente não cria um povo e um líder. É multiplicidade em estado puro. E dentro desta há os boçais, e o boçal também se singulariza, vou fazer o quê!
  • E o mais óbvio do óbvio: a maioria no Twitter não é célebre, nem líder de opinião midiático. E aqui que mora todos os “novos problemas e os novos agenciamentos”. Nenhuma cartografia científica será capaz de chegar a esses agenciamentos utilizando métodos tradicionais da estatística (sempre orientada à maioria). O problemão de pesquisa está no fato que a relevância de uma rede só brota de maneira minoritária. Essa é a desgraça para a pesquisa científica tradicional. Isso porque a minoria não se generaliza como dado, é sempre local, casual e singular. Mas isso não significa, em absoluta, que ela tenda à fragmentação. Ao contrário, ela é exatamente o motor da criação da cooperação em torno dos commons virtuais. Afinal, não há democracia no Egito sem a ação das minorias enredadas.

Mas a ideologia da maioria contida na estatística das redes, longe disso, só quer encontrar padrões, repetições e bordões!! O chato é que esses padrões ditam tendências, ditam modismos, sem parar, para tudo ficar no mesmo lugar: manda quem tem seguidor, obedece quem não tem amigo.

E, assim, o conformismo metodológico reina entre nós.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s